terça-feira, 16 de junho de 2015

Espírito Livre.

Ultimamente essas palavras tem efeito latejante na minha vida - espírito livre - eis que encontro um texto que parece que foi extraído da minha mente. 
Eu quero viver em paz, feito as flores.
Quero me mover livremente, feito o vento. Quero ver o mundo pelos olhos de cada pessoa ou criatura que cruzar meu caminho.
As pessoas podem até achar que minhas vontades me classificam como um hippie, mas eu não sou. Eu sou apenas um espírito livre vivendo no meu próprio parquinho, que chamo de Terra.
Embora esses dois conceitos pareçam bem similares, na verdade eles são bem diferentes.
Espíritos livres são indivíduos que vivem as próprias vidas de acordo com suas crenças e sonhos.
Eles não se conformam com a interpretação de vida imposta pela sociedade e eles certamente não tentam alcançar as expectativas dos outros.
Hippies, geralmente, são completamente anti-conformistas, a favor da maconha, advogam pelos animais e pelo meio ambiente, e vivem da forma mais simples possível para manter seus valores de paz, amor e felicidade.
Beleza, eles ainda parecem bem similares. Mas a maior diferença está em: espíritos livres nascem assim, hippies se tornam.
Cada indivíduo nasce completamente diferente de todos os outros. Aqueles que nascem com o espírito livre tem os pensamentos mais selvagens, criam obras de arte em cada tarefa que eles se engajam e tem um desejo em ver o mundo e gastar sua vida tendo experiencias ao invés de objetos.
Ser livre é não ser pressionado pelo que as pessoas esperam de você. Eles não acordaram um belo dia e decidiram ser assim: eles simplesmente nasceram assim.
São essas as pessoas que vão te contar histórias malucas na mesa de bar, e vai dar um jeito de arrastar todo mundo que tá na mesa para suas próximas viagens.
Eles não discriminam, não se limitam e devotam suas vidas ao próprio crescimento.
Já os hippies são criados. Ser hippie é um estilo de vida que se desenvolve baseado no ambiente, na mentalidade e nas experiências.
Eles podem ater ou não as qualidades de um espírito livre.
De forma mais simples: espíritos livres não são hippies, mas hippies podem parecer ter as qualidades de espíritos livres. Por quê?
Pois dizer que você é um hippie significa que há expectativas a respeito do seu comportamento, e você pode acordar qualquer dia desses querendo algo totalmente diferente.
Você não quer se atrelar a um título específico pelo resto da sua vida.
Em contrapartida, você pode achar espíritos livres em qualquer lugar que for.
São as pessoas que tomam banho de chuva, as pessoas que planejam viagens para outros países, os românticos com os olhos pregados em livros, as almas que amam verdadeiramente cada aspecto de suas vidas.
Esses espíritos irradiam positividade e tornam suas vidas reflexos das suas imaginações.
Você não pode limitá-los nem esmagar seus sonhos.
Eles possuem forças imparáveis que tornam o mundo um lugar melhor para se viver.
Honestamente, não dá pra traçar todas as características de um espírito livre. Eles não tentam fazer algo em específico: eles simplesmente existem.
Eles existem para aproveitar cada dia como uma nova oportunidade. Existem para fazer a diferença. Existem para serem destemidos.
Não dá pra comparar eles com nada. Eles existem simplesmente para serem destemidos.
Se há algo que restringe sua liberdade, eles não conseguem funcionar direito até que consigam vagar livremente conforme seu bel prazer.
As pessoas nem sempre entendem que hippies e espíritos livres não são a mesma coisa, mas OK, isso é compreensível.
Suas almas não precisam ser entendidas. Só precisam serem valentes e selvagens do fundo dos seus corações.

Autor: Alexm. (Tá tudo bem?)
                                                                     xx,

Flávia.                                  


segunda-feira, 15 de junho de 2015

Meus dias em porto de galinhas - Pernambuco!


Olá!

Por um alinhamento universal, consegui reunir forças de terminar de postar sobre minha trip para porto de galinhas (palmas).


Então, eu fui em baixa temporada - final de Abril e vou compartilhar o que julgo mais interessante:


Ônibus:  Passa em Recife, inclusive em frente ao aeroporto, os ônibus com rumo à Porto, com bastante frequência. 

Há linhas executivas ou mais simples. Basta pesquisar no Google o nº. dos ônibus que voce irá encontrar.

Ônibus que eu usei: O mais simples, sem ar, mas foi tranquilo! demorou um pouco mais de uma hora para chegar em porto. Não tenho o que reclamar. 

Hostel: 1º La Rocca. 

O preço e a recepção são muito bons! Minha diária foi R$ 30,00, com ar condicionado.

Hostel: 2º Che Lagarto.

Preço um pouco superior, mas não podia usar a piscina a noite, após certo horário! Bem, penso que de manhã você curte a praia e a noite é uma boa reunir a galera na piscina.. tentamos um dia a noite o funcionário não nos deixou usar, as vezes o problema é no pessoal mesmo. 

Se você quer acomodações boas, indico o Che Lagarto, se você quer ficar num lugar mais simples, mas que tenha uma rede para deitar, um café da manhã da hora, e se sentir em casa: indico o La Rocca #emojicomsaudades.

Praias:

Eu nunca havia entrado e flutuado em águas tão gostosas na minha vida. Mornas, cristalinas, apaixonantes. Não queria sair nunca. Um dos momentos mais legais, foi quando joguei frescobol em porto, leve algo para brincar para estender o dia na praia, mais uma desculpa para não ir embora tão cedo!

Passeio de Buggy: NÃO VÁ POR IMPULSO, COM O PRIMEIRO CABRA QUE TE OFERECER!
Lição da viagem: calma que chegamos lá!

Bem, na nossa chegada o passeio "ponta a ponta" era R$ 200,00, só eu e minha amiga, lógico que não fizemos.


No penúltimo dia, passávamos e já conhecíamos alguns dos buggeiros, que nos ofereciam por preço bem menor, até que conhecemos mais duas pessoas e fechamos por R$ 35,00 cada um, e fizemos o famoso "ponta a ponta" que inclui Praia do Cupe, Praia de Muro Alto e Maracaípe. Posso falar? FOI MARAVILHOSO, guardarei essa experiência para sempre e me deu um fôlego para voltar para a vidinha de todo dia na cidade onde moro. 

Ah, o passeio de jangada para fazer mergulho era R$ 20,00 reais, achei barato, mas eu tinha um colega com Snorkel que me incentivou a ir nadando até onde a jangada vai, me apoiando numa boia infantil (Loja do 10 - fica no calcadão, mucho boa). Se você não sabe nadar direito (EU), não faça isso, eu consegui chegar, mas foi tenso, mas incrível também!





Praia do Cupe. Primeira praia do passeio.

Praia de Muro-Alto.


Brodinhos!


Selvagens. Rumo a última praia - Maracaípe. 






Porto de bichinhos que me deram medinho.


Vou parar de comentar, porque minhas legendas são ridículas uahusahuhsauha



Porto de Galinhas. 

Conchinha.jpeg










Esse lugar marcou meu coração, Nordeste - Te quiero

xx, 


Flávia.